John Textor afirma ter provas que o Brasileirão 2021, 2022 e 2023 teve corrupção

1861

John Textor, dono da SAF do Botafogo, não poupou críticas à arbitragem do Brasileirão, levantando a questão da corrupção no campeonato. Em declarações recentes, o empresário norte-americano afirmou ter gravações de juízes reclamando de não terem recebido propinas combinadas, sem apresentar provas concretas.

As declarações de Textor surgiram após a vitória do Alvinegro sobre o Bragantino, durante a qual ele fez uma análise do momento atual do Botafogo. O empresário destacou o apoio da torcida, a busca por um novo treinador e fez duras acusações à arbitragem, sugerindo manipulação de resultados.

“O apoio da torcida nesta noite vai nos trazer um técnico. Temos técnicos tops de todo o mundo me procurando e temos uma decisão difícil a tomar. As pessoas querem estar no Botafogo. Nos últimos jogos do ano passado, o ódio foi tão forte que foi muito difícil para nós assistirmos. Não pode ser assim. Não vamos ganhar campeonatos assim”, disse Textor.

Ele ainda afirmou que, nos próximos 30 dias, os torcedores saberão o que realmente aconteceu no campeonato. Embora tenha mencionado ter gravações de juízes, Textor ressaltou que não divulgará essas informações publicamente, classificando tal atitude como irresponsável.

“Alguém dizer que não há corrupção no Brasil, quando eu tenho juízes gravados reclamando de não terem suas propinas pagas… Talvez a CBF não devesse me processar. Eu não acusei o Ednaldo (Rodrigues, presidente da CBF). Nunca disse nada sobre ele. Ele não é um corrupto. Ele é um homem que comanda uma organização que provavelmente precisa administrar melhor a corrupção externa. Porque é uma batalha contra fatores externos. É uma batalha que existe e está aqui. Houve manipulações e erros em 2021, 2022, 2023, e nós temos provas”, concluiu Textor.